A confirmação do diagnóstico de dois pacientes com a gripe H1N1 ocorreu no mês de março. O resultado positivo para doença deve acender o alerta sobre a importância da prevenção. A Campanha Nacional de Vacinação contra gripe começou nesta quarta-feira, 10 de abril. O médico infectologista do Hospital Municipal de Santarém Dr. Alberto Tolentino Sotelo (HMS), Alisson Brandão, informou que os grupos considerados de risco pelo Ministério da Saúde precisam checar a programação para buscar as doses nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Dos dois casos positivos para H1N1 deste ano, um paciente morreu. Ele veio transferido do Município de Itaituba. A outra paciente veio de Faro e recebeu alta médica para seguir o tratamento em casa. Após esses registros o setor de Epidemiologia do HMS adotou procedimentos preventivos. “Nós vacinamos esta semana os colaboradores que atuam no HMS e UPA. Eles entram no grupo de risco por estarem vulneráveis no atendimento de casos suspeitos”, explicou a supervisora do setor, Carina Sousa.

Crianças menores de seis anos, idosos acima de 60 anos, gestantes, portadores de doenças crônicas e pessoas que tem um tipo de deficiência, ou que tem uma doença que precisa tomar alguma medicação para suprimir a imunidade dela, devem procurar as UBSs do bairro onde moram. As Unidades Básicas funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

A gripe H1N1 é um agente infeccioso cujo agente é o vírus da família Influenza, que pode ser A ou B. “É a Influenza A a que oferece maior infectividade. É uma doença mais grave, chamada H1N1, também conhecida como gripe aviária e suína”, ressaltou o médico infectologista.

Sintomas e Prevenção

Os sintomas da gripe H1N1 são semelhantes aos causados pelos vírus de outras gripes. A diferença básica do quadro inicial da pessoa com o vírus H1N1 é que os sintomas do resfriado comum aparecem com mais força.  “Apresentou febre alta que apareceu de forma rápida, irritação nos olhos, tosse forte, coriza, dores musculares, vômitos e diarreia, procure uma Unidade hospitalar”, disse Dr. Alisson.

“É importante saber que é uma doença que tem uma transmissão muito rápida e infecta muita gente, a possibilidade de evoluir para uma doença grave é muito frequente, por isso a importância das campanhas de vacinação para tentar minimizar”, finalizou o médico. A 21ª Campanha de vacinação contra H1N1 segue até o dia 30 de maio.

Saiba mais: