Outubro é marcado em todo o mundo como o mês de sensibilização e compreensão dos riscos do câncer de mama; sinais e sintomas precoces e conscientização geral da população. Em apoio à campanha mundial Outubro Rosa, a direção do Hospital Municipal de Santarém Dr. Alberto Tolentino Sotelo (HMS) abordará o tema durante todo o mês e realizará um Dia D.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas Américas, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. É segunda principal causa de morte para esse público, acometendo, em 57% dos casos, mulheres com menos de 65 anos. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no ano passado o Brasil registrou 59.700 novos casos. Desses, 16.724 foram fatais. No ano de 2017, 267 mulheres morreram no Pará em decorrência da doença.

Os diagnósticos precoces aumentam as chances de cura da doença. “Com a correria do dia a dia, a mulher acaba olhando menos para si mesma. Além de conscientizar pacientes e colaboradoras sobre o câncer de mama, queremos convocar as mulheres para exercerem sua vocação com o cuidado”, explica o diretor geral e técnico do HMS, Dr. Itamar Júnior.

Segundo Joycineia Nobre, coordenadora de enfermagem da Unidade, entre as atividades do Dia D serão realizadas palestras, dinâmicas reflexivas, passo-a-passo para o toque da mama e visita nos leitos.

Sintomas comuns

A Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) adverte que o sintoma mais comum de câncer de mama é o aparecimento de nódulo, geralmente indolor, duro e irregular; mas também há tumores que são de consistência branda, globosos e bem definidos. Outros sinais de câncer de mama são: edema da pele, semelhante à casca de laranja; retração cutânea; dor; inversão do mamilo; hiperemia; descamação ou ulceração do mamilo; secreção papilar;

Segundo Paula Soares, médica plantonista do Hospital, a prevenção preconizada pelo Ministério da Saúde requer uma certa frequência de consultas com o mastologista e a realização de exames de mamografia, principalmente para as mulheres acima de 45 anos.

Além disso, entre uma consulta e outra, Paula ressalta que a mulher mesma pode se examinar, diariamente, através da apalpação das mamas. Caso algum nódulo seja encontrado, recomenda-se que o especialista seja procurado, imediatamente, para que os devidos exames sejam realizados. “A descoberta precoce da doença ajuda muito no tratamento. Pois, quanto menos desenvolvida estiver, mais fácil será de tratar”, disse.

O Ministério da Saúde salienta que, embora as causas do câncer de mama continuem sendo em grande parte desconhecidas, o histórico familiar da doença, a utilização de hormônios, a obesidade e o uso de álcool e tabaco são identificados como fatores de risco. Desta forma, estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em 28% o risco de se desenvolver a doença.