Com a reforma, o local de entrada das grávidas não mudará e o número de leitos vai continuar o mesmo durante a obra.

Para que a reforma inicie no dia 20 de janeiro, foi necessário esvaziar 16 leitos e o berçário, que é o local onde ficam os bebês prematuros. Esse espaço contempla metade da estrutura da Obstetrícia do Hospital Municipal de Santarém Dr. Alberto Tolentino Sotelo (HMS). A equipe de engenharia da Unidade preparou outros cômodos, mantendo o número de leitos. Ou seja, a obra não prejudicará as demandas no atendimento.

A reforma contemplará os quartos onde ficam os 42 leitos da Obstetrícia, além da recepção, piso, forro e toda a instalação elétrica. O custo será de R$ 638.047,45 e a previsão é de que ela durará quatro meses.

Segundo o diretor administrativo do HMS, Silvério Cardoso, a nova estrutura possibilitará muitos benefícios no acolhimento das mulheres grávidas e para os bebês. “A Prefeitura de Santarém não mediu esforços para que essa reforma ocorresse, trazendo mais conforto, humanização e qualidade no atendimento”, conclui.

 

Fluxo de trabalho durante a reforma

Para o início da reforma, o berçário será transferido temporariamente para um quarto da clínica cirúrgica que foi preparado estruturalmente para receber os bebês prematuros. O engenheiro clínico do Hospital, Alexandre Andrade, destaca as modificações realizadas para alocação do berçário provisório. “As instalações de gases medicinais estão em perfeitas condições de uso, bem como oxigênio. Fizemos também adequações elétricas e hidro sanitárias para dar fluxo adequado ao berçário provisório”, disse ele.

Silvério Cardoso esclarece que “quando a primeira parte da reforma for concluída, os pacientes vão retornar do espaço provisório para os leitos revitalizados. Já as grávidas que estarão nos quartos que serão reformados, passarão a ocupar o espaço provisório”, explicou ele.

A equipe de enfermagem está sendo capacitada para que se elimine qualquer tipo de transtorno que possa surgir. As supervisoras da obstetrícia, as enfermeiras Rubidia Lima e Alzerina Sarmento, reorganizaram o fluxo de atendimento. “A equipe de enfermagem aumentou para que fosse possível dividir em dois grupos. Um ficará na parte que não estará em obra e outra equipe ficará no espaço provisório. Com essa organização manteremos a qualidade na assistência às gestantes”, disse Alzerina.

 

Hospital referência

O HMS é referência em Obstetrícia em todo o oeste do Pará. Em 2019, foram realizados 11.478 atendimentos para pacientes com os mais diversos sintomas, entre eles: partos, consultas e infecções. Nos últimos três meses foram 4.184 atendimentos. Especificamente para o procedimento de parto, foram realizados 3.380 acolhimentos no ano passado, sendo 2.043 normais e 1.337 cesáreas. Nos últimos três meses, 583 mulheres deram à luz de forma natural e 329 precisaram passar por procedimento cirúrgico.

Ainda em 2019, o setor recebeu 892 pacientes de outros municípios. Nos últimos três meses, foram 337 grávidas de cidades vizinhas de Santarém atendidas na Unidade. Os municípios que mais enviaram gestantes foram Mojuí dos Campos, com 460; Belterra, com 165; Monte Alegre, que transferiu 46; Aveiro e Itaituba, com 29 e 28, respectivamente.